segunda-feira, 20 de abril de 2015

Tristeza ou depressão?


Oi gente! É com muita alegria, que hoje apresento pra vocês nossa segunda convidada especial aqui no blog: a Dra Tereza Lobão. Após o texto, tem mais informações sobre ela. Mas já adianto que é uma psicóloga que eu gosto demais. Pedi para ela fazer um texto sobre as diferenças entre tristeza e depressão.
Esse é um tema muito presente no universo feminino. Com todas nossas alterações hormonais, aumento das responsabilidades, já que muitas de nós enfrentam 3 ou 4 jornadas de trabalho diferentes no dia, e também a cobrança para sermos quase "perfeitas", muitas mulheres se queixam e ficam na dúvida se o que sentem é depressão ou tristeza. 
Vamos aprender juntas??



Tristeza ou depressão: fonte google



Tristeza ou depressão?


Nos dias atuais, em que se exige que estejamos sempre alegres, de bem com a vida, é muito comum ao menor sinal de tristeza você ouvi de algum conhecido “Você está deprimido”! Acontece que, estar deprimido, ou com depressão é diferente de estar triste ou com sentimento de tristeza.

A tristeza é um estado afetivo inerente à condição humana. É um sentimento de pesar psíquico, em que a pessoa experimenta uma dor relacionada a algo que se perdeu, ou a alguma situação que se apresenta diferente daquilo que foi esperado. Ela é um sentimento momentâneo e até saudável do ponto de vista existencial. Pois em momentos de tristeza nos recolhemos e elaboramos melhor perdas e frustrações nos tornando mais fortes emocionalmente. Segundo alguns pesquisadores a tristeza dura em média até dois meses, passado esse período, e essa avaliação é muito individual, podemos pensar em um quadro de depressão.

A depressão por sua vez é um estado patológico (doença afetiva) em que a tristeza se cronificou, digamos assim. As pessoas deprimidas ou com depressão sentem-se apáticas, sem prazer pela vida, sem energia para exercer as atividades normais do dia a dia. Além de apresentar modificações na memória, dificuldade de concentração, imagem negativa de si mesmo e da vida de um modo geral, alterações no sono e no apetite.

A depressão, diferente da tristeza não passa em branco! O que confere um comprometimento na vida da pessoa afetada. Nesses casos é necessário passar por uma avaliação psiquiátrica para diagnóstico correto e alivio dos sintomas por meio do uso de antidepressivos. Aliado ao tratamento medicamentoso a pessoa deprimida necessita de acompanhamento psicológico. É por meio desse cuidado a atenção profissional (do psicólogo) que a pessoa entra em contato com o seu eu existencial, buscando ressignificar os danos causados pelo estado depressivo, bem como reestruturação da vida como um todo. Mesmo porque, e aqui vai um alerta, a depressão pode afetar os relacionamentos interpessoais e a vida profissional de modo significativo ocasionando maiores danos à vida pessoal, bem como levar a pessoa a ter pensamentos de morte e/ou desejo de tirar a própria vida.

Se a sua “tristeza” apresenta um comprometimento a sua vida e ao seu dia a dia de modo significativo é preciso pensar em buscar ajuda profissional! Somente um psiquiatra e um psicólogo podem avaliar se você está com depressão ou experienciando um momento de tristeza apenas. 

Tereza Raquel Lobão Psicóloga
CRP 19/2059
Tereza Lobão


Meu nome é Tereza Raquel Lobão, nascida no estado de Sergipe, sou formada em psicologia há 4 anos, casada e mãe de duas adolescentes uma de 13 anos (Luana Lyn) e outra de 19 (Júlia Lyn).
Sou apaixonada pelo ser humano e tudo o que se relaciona a ele. Desde a minha adolescência era a ouvinte/conselheira da roda de amigas. Amava escutar e conhecer as diferentes formas de ser humano!
Hoje, transformei a minha paixão em profissão. Trabalho como psicóloga na Casa da Poesia, um lugarzinho charmoso que cuida do ser humano por meio da ciência e da arte e Coordeno um Centro que cuida de pessoas que sofreram violência pessoal ou social, desde crianças até a terceira idade.
Ser psicóloga é um ofício solitário (pois trabalhamos sozinhas e sem poder dividir nada com ninguém), mas extremamente significativo pra mim. Amo o que faço, estudo com muita fome de aprender e poder aliviar as mazelas da vida humana. Por outro lado sou filha, mãe, mulher, profissional, estudante, amiga e humana como cada um de vocês. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoraria saber sua opiniāo! Escreva aqui!