segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Lidando com a BIRRA.

Geralmente por volta de um ano e meio, a criança começa a entender como funciona o mundo, e qual é o papel dela nisso tudo. Começa a fazer algumas coisas sozinha, descobre uma certa independência e percebe o que precisa fazer ou não para ter seus desejos atendidos.
Tudo começa com um chorinho, afinal, ela sabe desde sempre que é só chorar que alguém aparece para cuidar dela. A diferença é que ela começa a usar esse choro para outros fins. Ela quer pegar algo que não alcança, quer um brinquedo novo ou simplesmente não quer comer a comida que a mamãe ofereceu. E aí começa a chorar. Se perceber que essa estratégia funciona, logo evolui para gritinhos, pulinhos, tapas ou arremesso de objetos.
O primeiro passo para os pais é: Não se desesperem!! Gritar, xingar e perder o controle nessas situações só irá reforçar esse comportamento da criança. Afinal, crianças aprendem também com nosso exemplo, se você grita, porque ela não pode gritar?
Normalmente a birra vai até os 5 anos. Mas pode começar e terminar antes ou depois disso, depende da atitude dos pais e também se ela tiver algum problema físico ou psicológico; nesse caso, o ideal é procurar auxílio junto ao Pediatra e à Psicólogos.
É importante sempre manter um bom diálogo em casa e conversar com os filhos desde a mais tenra idade. Assim quando esse comportamento começar, o primeiro passo a seguir é falar com a criança. Diga que o que ela está fazendo é feio, que aquele comportamento é inaceitável e que assim ela não conseguirá o que deseja. Se for necessário, sai de onde está, leve-a para um lugar calmo, e espere-a acalmar-se.
Apesar de ser super irritante e muitas vezes desconcertante (quando a birra é feita em público), ela é necessária para o desenvolvimento emocional da criança. A criança ainda não sabe lidar com as frustrações e a birra muitas vezes pode ser um pedido de ajuda. Por isso é preciso estarmos atentos a esse comportamento. Qual a frequência  em que ele ocorre? Quantas vezes por dia? Por quais motivos? Ocorrem em locais específicos? Essas indagações devem ser feitas e respondidas pelos pais para que encontrem o melhor caminho a seguir.
foto: Nana Sievers


Os pais precisam ser coerentes. Se a birra acontece quando a criança ouve um "não", mesmo após terem lhe explicado porquê, é fundamental que esse "não" permaneça, para que ela não entenda que conseguiu o que queria através do mau comportamento. Principalmente se esse não foi dito baseado em uma regra da casa. Caso seja um "não" válido somente praquele momento, a criança merece que lhe expliquem bem isso. Por exemplo: A criança fez birra numa loja de brinquedos, se jogou no chão pedindo algo e você disse não. É importante que lhe explique que não será sempre "não", afinal ela ganha presentes. É um não naquela ocasião, por algum motivo. Você pode dizer-lhe, por exemplo: "Filho, hoje você não irá ganhar isso porque não tenho dinheiro. Outro dia, se você comportar-se bem e eu tiver o dinheiro, comprarei pra você". Simples, claro e objetivo. Não precisa repetir mil vezes. Mude logo de assunto, comece a falar de outro assunto. Crianças pequenas distraem e esquecem-se facilmente.
Outro ponto importante é evitar situações que irritem a criança por bobeira. Crianças se cansam rapidamente, tem horários para comer, não gostam de lugares lotadosantes de expor seu filho a situações assim, converse com ele e avise o que acontecerá em seguida. Assim ele ficará menos irritado. Se você fará uma viagem longa e cansativa, conte pra ele direitinho, explique que vai demorar, mas que depois ele ficará muito feliz, coisas assim.
Algumas pequenas concessões podem ser feitas para evitar ataques de birra. Alguns pais querem moldar demais os filhos e acabam podando algumas vontades que demonstram sua personalidade. Por exemplo: Seu filho quer sair com uma roupa toda extravagante para brincar, mas você quer que ele vista uma roupa que você acha mais adequada. Ele se sente contrariado e começa a ter um ataque de fúria! Agora eu pergunto: Custa deixá-lo vestir-se com a roupa que o agrada mais? Qual o problema nisso?
Percebem como há uma linha tênue entre a birra por não aceitar cumprir normas e ouvir nãos, e a que deseja simplesmente chamar sua atenção e expressar uma vontade?
É preciso estar sempre atento. Criança pequena requer dedicação integral. Elas não tem maturidade suficiente para expressar-se corretamente, nem memória suficiente para lembrar-se de tudo que as ensinamos. Por isso é preciso estar sempre falando, repetindo, relembrando, explicando. E sempre falando com uma linguagem que ela entenda. Não trate criança como adulto. Fale de maneira clara, firme, mas ao mesmo tempo amorosa. 
Educação não é gritar, bater, nem xingar. É ensinar o que é certo e errado; aceitável e não aceitável; que tudo na vida tem consequências boas ou ruins; que nosso comportamento influencia as respostas que recebemos; 
Se seu filho está passando por isso, leia bastante à respeito, pesquise, mas acima de tudo: preste atenção nele. É só uma fase e vai passar!!
Um grande beijo,
Alyne



4 comentários:

  1. Muito bem escrito, amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Da próxima vez, coloca seu nome, pra eu saber quem é :)

      Excluir
  2. Interessante o exemplo da roupa, a gente ensina a criança a ser independente e de personalidade própria e no momento que eles fazem exatamente isso a gente barra!!! O meu caçula começou a se jogar no chão pra tudo, eu falo firme com ele “levanta em pé” e tem funcionado,já avjsei o marido como falar, pra ficar tudo igual!! Bjos Ly. Ótimo texto!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá certinha, Li. Essa fase é assim mesmo, é normal eles testarem nossa paciência rsrsrs Mas, graças a Deus, passa! bjão

      Excluir

Adoraria saber sua opiniāo! Escreva aqui!